Stevie Wonder Talkbox vids

Anything non-technical you want to talk about, talk it over and have beer ...

Stevie Wonder Talkbox vids

Postby modman » 08 Jul 2007, 14:09

2.
A declaração de guerra
2.1.
O medo da guerra
No início dos anos 40, o perigo estava em toda a parte. O medo passou a
ser um sentimento comum. No Brasil, a sensação de insegurança tornou-se mais
concreta depois que os primeiros navios começaram a ser atacados e as mortes
anunciadas nos jornais. Com a intensa atividade do DIP, muitas notícias sobre o
que estava ocorrendo na Europa eram censuradas. Mas era possível captar
informações em rádios estrangeiras, como a BBC, por exemplo. Relatos pessoais
dos que já tinham fugido da perseguição nazista, como foi o caso do escritor
austríaco Stefen Zweig, apesar de não serem publicados, eram de conhecimento
de um pequeno grupo. As primeiras manifestações populares contra a
proximidade do Estado Novo com os países do Eixo foram reação ao medo por
parte da sociedade. O apoio brasileiro era fundamental para os aliados.
A manchete do jornal O Globo de 26 de março de 1941 era assustadora.
Em letras garrafais, estampava: “Bombardeado um navio brasileiro! Errando o
alvo, o avião, que tinha as insígnias allemães, metralhou e canhoneou, em
seguida, o Taubaté. Um morto e oito feridos.” 147 Mesmo que a agressão tenha
acontecido no Mar Mediterrâneo, a guerra estava mais perto do que imaginavam
os brasileiros. Depois do ataque, houve reação do governo, mas o Reich não
tomou conhecimento da queixa brasileira. 148 Antes do Taubaté, também no mês
de março, outro ataque fez com que o navio Santa Clara desaparecesse nas ilhas
Bermudas”. 149
Durante a Conferência dos Chanceleres no Rio de Janeiro, no mês de
janeiro de 1942, o Brasil se uniu às repúblicas americanas 150 . Finalmente, o país
fez a declaração que rompeu relações com a Alemanha e a Itália - o Japão ainda
147
Aluízio Maranhão. O Globo Primeiras Páginas. 80 anos de história nas manchetes do Globo.
Rio de Janeiro: 2005, p.49.
148
Hélio Silva, Alemães atacam navios brasileiros. 1939-1942. História da República Brasileira.
São Paulo: Editora Três, 1998, p. 143. “Este prometeu uma solução, que nunca foi dada.”
149
Idem. As Ilhas Bermudas ficam no Oceano Atlântico, próximas de Porto Rico.
150
A Argentina e Chile se mantiveram neutros nessa época.53
não era considerado inimigo direto nesse momento.
A demora tinha uma
explicação, existia uma divisão ideológica dentro do Estado Novo, com ministros
simpatizantes aos países do Eixo e ministros que preferiam os países aliados. Os
discursos do presidente Getúlio Vargas e do ministro Oswaldo Aranha durante a
conferência foram publicados nos jornais e irradiados nas estações de rádio.
Oswaldo Aranha declarou que a conferência era importante para defender valores
éticos e morais.
(...) não somente porque as nossas terras, as nossas fronteiras, as nossas costas
estejam ameaçadas, ou possam ser atacadas [mas também] a nossa religião, a
nossa moral, as nossas famílias, as nossas raças, as nossas instituições, as nossas
liberdades, enfim, as nossas ideias, estão em risco iminente de perecer. 151
O ministro Góis Monteiro sabia que o Brasil iria provocar uma reação
alemã assim que fizesse a declaração. Ao ministro Eurico Gaspar Dutra escreveu
que o país não estava preparado para uma contrapartida da Alemanha.
Em
fevereiro de 1942, o navio Cabedelo foi bombardeado pelos alemães provocando
a morte de todos os 54 tripulantes. No dia 15, foi a vez do Buarque; no dia 18, o
Olinda. No dia 7 de março, o Arabutã; no dia 9 março, o Cairu. O afundamento
dos navios e a morte de brasileiros fizeram com que a população reagisse com
protestos e passeatas. 152
Além das manchetes sobre os afundamentos e mortes, outra notícia, em
fevereiro de 1942, tomou conta dos jornais brasileiros: o suicídio do escritor
Stefan Zweig e de sua mulher, Lote Zweig, em Petrópolis. Segundo os amigos, o
ato sugeria o sentimento de pavor que a proximidade da guerra provocava
principalmente nos judeus, famosos ou não, que já sabiam da existência da
perseguição nazista na Europa. Um dos maiores escritores de língua alemã no
mundo 153 , Zweig procurou no Brasil um porto seguro, no fim de 1941, depois de
ver seus livros queimados e ter que fugir para a Inglaterra. 154
151
Ricardo Steinfus, O Brasil vai à guerra. São Paulo: Manole, 2004, p.273.
Cristina Romanelli, Revista de História da Biblioteca Nacional, Ano 8, no 89. Fevereiro de
2013, p.11. Ao todo, foram afundados 33 navios brasileiros, “quase 1.500 pessoas morreram nos
naufrágios.”
153
Ele é considerado o maior biográfico de todos os tempos. Escreveu sobre Balzac, Dostoiévski,
Maria Antonieta, Joseph Fouché, entre outros.
154
Stefan Zweig saiu de Viena em 1933, cinco anos antes da anexação da Áustria à Grande
Alemanha.
15254
A notícia do torpedeamento do navio Buarque deixou o escritor muito
abalado. Nos primeiros meses no Rio de Janeiro, sentia-se feliz com a
neutralidade brasileira. Mas, depois que escreveu “Brasil, País do Futuro”, Zweig
começou a receber críticas de intelectuais brasileiros. Eles alegavam ser o livro
uma obra de propaganda do Estado Novo. Por ter conversado algumas vezes com
Lourival Fontes e por desconhecer em profundidade e a complexidade do Brasil,
Zweig provocou essa impressão. “Em quarenta anos de vida literária, me orgulho
de nunca ter escrito um livro por outra razão que a da paixão artística, e jamais
visando [a] qualquer vantagem pessoal ou interesse econômico.” 155
Ao advogado Alfred Gartenberg, austríaco como ele, disse uma frase
enigmática quando foi questionado por que não mencionara a situação dramática
dos judeus em Viena. “Você não pode compreender!... Veja, fui obrigado a
escrever um livro sobre o Brasil. O que sei sobre o Brasil?...”
156
O jornalista
Alberto Dines, autor de Morte no paraíso , sobre a vida de Zweig, disse que o
escritor se sentiu obrigado a escrever o livro, em retribuição ao visto de
permanência, muito difícil na época. 157
Lourival Fontes era uma pessoa cheia de contradições. Chamado de
“Goebbels caboclo”, casou-se com a escritora Adalgisa Nery em 1940. Fontes não
deixou boas lembranças nem na memória de Ivan e Emmanuel, filhos do primeiro
casamento de Adalgisa com o pintor Ismael Nery. “Ele era um nazista tremendo.
Lá em casa tinha um retrato de Hitler e outro de Mussolini; este, com dedicatória.
Fontes achava Mussolini mais importante intelectualmente do que Hitler.”
158
Apesar disso, Fontes era, segundo Dines, um apaixonado leitor . “Seu respeito
pelos intelectuais fez com que ajudasse refugiados judeus, como Paulo Rónai e
Max Fisher (a virem para o Brasil). Seu fascismo intelectual não perturbava sua
sagacidade política, o que lhe permitia manobras inesperadas”. 159
155
Stefan Zweig vive! Catálago da exposição no Centro de Cultura Raul de Leoni, Petrópolis,
2011.
156
Alberto Dines, Morte no paraíso. A tragédia de Stefan Zweig. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1981, p. 238.
157
Alberto Dines, entrevista feita por e-mail, no dia 12/9/2012.
158
Ana Arruda Callado, Adalgisa Nery, Perfis do Rio. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999,
p.50.
159
Alberto Dines, op.cit., p. 250. O autor explica que as informações foram cedidas por Raimundo
Magalhães Jr.55
Críticas à parte, Zweig e sua mulher saíram de Petrópolis, onde moravam,
para conhecer o Carnaval carioca, em 1942. Pelo visto, a proximidade da guerra
não afetou o astral festivo do povo na Praça Onze. Para seu amigo, o escritor
francês Jules Romains, exilado na cidade do México, Zweig descreveu a festa
dessa maneira:
O Carnaval do Rio foi uma coisa fantástica – infelizmente não pude deixar-me
levar por aquela onda de embriaguez. Antigamente, adoraríamos ver uma cidade
dançar, marchando, cantando durante quatro dias, sem polícia, jornais, sem
comércio – uma multidão unida pela alegria... 160
Zweig, homem culto e viajado, curiosamente, não gostava do efeito que o
rádio provocava nas pessoas. Ele chamou a uniformidade e a massificação da
informação de “monotonização do mundo”.
161
Na sua percepção, com o advento
do rádio, as pessoas ficaram iguais no pensamento, gestos e até aparência física.
No texto escrito em janeiro de 1925, o escritor explicou a razão de sua crítica.
Todas essas invenções têm um só sentido: simultaneidade. A simultaneidade ao
se ouvir em Londres, Paris e Berlim uma coisa, esta uniformidade inebria, pelo
superdimensional. É uma embriaguez, um estímulo para a massa, e, ao mesmo
tempo, em todos esses novos milagres da técnica, uma imensa lassidão do espírito
para o indivíduo, uma tentação perigosa para a passividade. (...) Sem que
percebamos, nasce uma simultaneidade das almas, uma “alma da massa”, pela
inclinação aumentada de tudo uniformizar, uma atrofia dos nervos em favor dos
músculos, um morrer do indivíduo em favor do tipo. 162
Alberto Dines revelou que Zweig tentou alertar os ingleses sobre o que
estava acontecendo no regime nazista antes do início da Segunda Guerra. Não
conseguiu. O máximo que obteve foi uma entrevista na TV experimental da
BBC 163 , no fim dos anos 30, onde apareceu uma única vez, durante alguns
minutos. “Naquela época não havia como gravar imagens. Sobrou apenas a
transcrição do que disse. Zweig falava inglês com forte sotaque alemão - a língua
do inimigo - e seria difícil ser aproveitado na BBC, naquela época.” 164
160
Ibid., p. 382.
Adorno começou a escrever sobre a indústria cultural a partir de 1930, ao exilar-se nos Estados
Unidos. Ele percebeu que os americanos viviam o clima conformista e faziam parte de uma
multidão passiva.
162
Stefan Zweig, Encontro com homens, livros e países. Volume X. Rio de Janeiro, Editora Delta,
1960, p.137.
163
A TV foi inaugurada em 1936, na Inglaterra.
164
Entrevista por email, no dia 21 de agosto de 2012. Thomas Mann conseguiu transmitir, pela
BBC, em alemão. Veja na p. 22.
16156
Antes de suicidar-se, aos 61 anos, no dia 23 de fevereiro, Zweig escreveu
uma carta de despedida, onde revelou que não poderia esperar por dias de paz.
“Saúdo a todos os meus amigos! Que ainda possam ver a aurora após a longa
noite! Eu, demasiado impaciente, vou-me embora antes”. 165
A massificação pelo rádio estava se tornando uma realidade, mas nem
todos os intelectuais viam tantos fantasmas no novo meio de comunicação. O
teatrólogo alemão Bertolt Brecht, por exemplo, acreditava que, no futuro, o
público também teria chance de participar dos programas, tornando o veículo
verdadeiramente democrático.
O brasileiro Mário de Andrade escreveu, em
1940, que o rádio, com a sua linguagem simples e direta, trazia ao povo a cultura
erudita. Mas o intuito do DIP não era esse. Ao tentar se tornar onipresente,
“ampliando suas verbas, equipando-o convenientemente e permitindo que pudesse
ter uma linha editorial bem ampla, ao publicar periódicos de feições variadas e
atuar ainda no rádio, no cinema e na publicidade” 166 , o departamento de Fontes
não queria a participação das massas ou a sua conscientização.
“Maria Helena Rolim Capelato afirma que Getúlio Vargas não tinha interesse em
mobilizar as massas para participar da vida política do Brasil, pois o autoritarismo
do Estado Novo era desmobilizador. (...) A preocupação da ditadura era a de
buscar o apoio das elites intelectuais leitoras de jornais e livros, e não das massas
de ouvintes do rádio.” 167
“O DIP controlava a Agência Nacional, uma empresa de notícias, no molde das
grandes agências noticiosas então existentes. Dentre os periódicos do DIP
ressaltam-se as revistas de caráter popular Brasil Reportagem, com pouco texto e
muitas fotos, e Brasil de Ontem, Hoje e Amanhã, com poucas fotos e muitos
textos, geralmente curtos, diretos e fortemente exaltadores de Vargas e de seu
regime. Ainda havia a revista de cunho intelectual Cultura Política e (...) outra
especialmente criada para cooptar a imprensa, a Dos Jornais, uma espécie de
Seleções Reader’s Digest brasileira. Também coube ao DIP a publicação de
livros, folhetos, boletins e cartazes. Estava a seu cargo o programa radiofônico
“Hora do Brasil” (depois “A voz do Brasil”), de retransmissão obrigatória.” 168
165
Stefan Zweig vive! , op. cit., p. 42.
Orlando de Barros, “Os incontaminados contra as toxinas letais do vírus fascista: a imprensa
oposicionista nos últimos meses do DIP”, In 200 anos de imprensa no Brasil, Silvia Carla Pereira
de Brito Fonseca e Maria Letícia Corrêa (organização). Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, p.231.
167
Antonio Carlos Silva, “Os nacionalismos nas ondas do rádio”. RECINE, Revista do festival
Internacional de Cinema de Arquivo, no6. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, setembro de 2009, p.
36.
168
Orlando de Barros, idem.
16657
O empréstimo de 20 milhões de dólares feito pelos EUA para a construção
da Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda, foi ao encontro de um projeto
brasileiro antigo. Com a siderúrgica, o país poderia fabricar maquinário pesado e
armamentos. No pacote das negociações, além de Volta Redonda, o Estado Novo
tinha intenção de criar a Força Expedicionária Brasileira (FEB). O plano foi
concretizado no final de 1942, com a Portaria Ministerial no 4744. Em troca, a
partir daquele momento, o país deveria aceitar a posição de predominância dos
EUA.
O acordo garantiria aos EUA usar Natal e Recife como futuras bases
aéreas. Mas nem os Estados Unidos nem a Grã-Bretanha acreditavam que o Brasil
deveria lutar na guerra. Sem armamento, treino ou roupas adequadas, as tropas
poderiam ser um fardo desnecessário para os países aliados. No entanto, “os EUA
não podiam desconsiderar as solicitações brasileiras, dado o volume de
contribuições positivas do Brasil ao esforço de guerra dos aliados”. 169
“O visconde de Halifax, embaixador britânico em Washington, relatou que os
Estados Unidos usaram a falta de navios como desculpa para evitar uma remessa
de armas, já que não queriam a criação de um exército poderoso no Brasil. A essa
altura, o Foreign Office britânico desacreditava inteiramente a possibilidade de
envio da FEB ao teatro de guerra”. 170
O rádio, que estava vivendo a sua época de ouro no Brasil, apresentava as
mesmas manchetes dramáticas dos jornais: “Hitler quebrou a resistência dos
franceses com suas transmissões radiofônicas”; “A Rádio Berlim amoleceu a
resistência na Europa” 171 . Saint-Clair Lopes, radialista conhecido e admirado,
intérprete do personagem principal do seriado policial O Sombra, na Rádio
Nacional, guardou na memória as manchetes. “Nunca se utilizou a radiodifusão
como durante os seis anos da II Guerra Mundial. Cada qual procurava atrair
simpatias para a sua causa. As notícias divulgadas no mundo inteiro provam essa
verdade.” 172
169
Gerson Moura, 1991, op.cit., p.27.
Ibid., p.33.
171
Saint-Clair Lopes, op.cit., p.48.
172
Idem.
17058
“Homens do governo pressentiram que os Aliados poderiam ganhar a guerra e
passaram a pressionar Getúlio Vargas. O serviço de propaganda montado pelos
ingleses abastecia-nos com informações, artigos e reportagens. Emissários
americanos intensificaram suas visitas ao Brasil, dedicados a conquistar nosso
país para a causa aliada. Diretrizes se tornaria um dos polos aglutinadores deste
esforço antinazista, e essa seria uma das razões do sucesso alcançado pela
revista.” 173
As manifestações populares continuavam crescendo e se tornado uma
constante. Para os Estados Unidos, era preciso garantir o apoio definitivo do
Brasil entre os aliados. No Diário de Getúlio Vargas, no dia 16 de janeiro de
1942, o presidente assegurava que a “a pressão norte-americana fora esmagadora”
(...) e que a maior parte dos países americanos (...) foi coagido a entrar na guerra .
174
Dentro do governo, disputas geravam crises entre o chefe da polícia Filinto
Müller e Lourival Fontes, e entre Fontes e o ministro da Guerra, general Gaspar
Dutra. Müller achava que Fontes, antes de o DIP ser criado, assumiu para ele as
funções da polícia. Para isso, “comprava” parte da imprensa com dinheiro. Dutra e
Müller passaram a fazer “campanha de desmoralização” 175 contra Fontes, tanto
que, em determinado momento, o chefe do DIP se aproximou politicamente de
Oswaldo Aranha, na época Ministro do Exterior e liberal convicto.
(...) lá fora o povo fazia passeatas de protestos e seria precisamente uma
manifestação de massa que iria precipitar a primeira crise de gabinete no Estado
Novo. A 4 de julho de 1942, Filinto Müller tentou impedir que a UNE realizasse
uma passeata antinazista. Favorável aos estudantes, Vasco Leitão da Cunha –
ministro interino da Justiça – entrou em choque com o chefe da polícia. (...) O
Ministério entrou em crise. Lourival Fontes, Francisco Campos, Filinto Müller e
Vasco Leitão demitiram-se de seus cargos. Solidificava-se, assim, a base política
do Governo para o envolvimento na guerra. E Oswaldo Aranha, pró-Aliados, via
fortalecida sua posição no Ministério. 176
173
Samuel Wainer, Minha razão de viver. Memórias de um repórter. 2a. Edição. Rio de Janeiro:
Editora Record, 1987, p.59.
174
Maria Celina D’Araujo, O Estado Novo, Descobrindo o Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar
Editor, 2000, p.50.
175
Idem.
176
Nosso século Brasil, 1930/1945 (II), São Paulo: Abril Cultural, 1985, p.90.59
2.2.
As expectativas e a atuação do rádio
O Estado Novo investiu nos programas populares da Rádio Nacional,
criando uma empatia com a população que frequentava o auditório, acompanhava
de casa as atrações e participava dos concursos musicais. Além disso, afastou os
nomes mais identificados com o fascismo - Filinto Müller e Lourival Fontes – e
fortaleceu o ministro do Trabalho, Marcondes Filho. Suas palestras semanais
sobre trabalhismo na “Hora do Brasil” ficaram conhecidas. Apesar da escassez de
produtos importados, inclusive a gasolina, os ricos continuaram apostando nos
jogos de azar nos cassinos. O mais famoso era o Copacabana Palace, de onde a
Nacional transmitia um programa radiofônico para os que não podiam pagar para
ver o glamour das estrelas. Dali, eram divulgadas algumas músicas de qualidade
duvidosa e que tinham como inspiração a guerra e a figura de Getúlio Vargas.
A Rádio Nacional continuava a sua meta de fazer a união nacional. Novos
estúdios e um auditório com 496 lugares foram inaugurados em 20 de abril de
1942, dia seguinte ao aniversário de Getúlio Vargas. Para comemorar, foi
realizada uma programação especial. Pouco tempo antes de deixar o governo,
Lourival Fontes fez um discurso que refletia o quadro político-social da época.
“Não sabemos com segurança o que nos aguarda e devemos estar vigilantes. O
rádio, cada manhã, pela rapidez da palavra, será sempre agente eficaz dos
propósitos que nos animam e das cautelas que as contingências nos impõem.” 177
A ideia do Estado Novo era fazer com que a rádio do governo continuasse
disputando audiência e anunciantes com as outras emissoras comerciais com o
objetivo de fazer a integração dos brasileiros. Assim, em 1940, a Nacional
“deveria respeitar a variedade dos usos e costumes regionais, explorar a riqueza de
nossa a língua e de nossa música, criar uma programação atraente para todas as
idades, inclusive crianças e idosos, e conquistar cegos e analfabetos”. 178
177
Revista do Rádio, no 342, p.3.
Ana Baum (org.), Vargas, agosto de 54 – a história contada pelas ondas do rádio. Rio de
Janeiro: Editora Garamond, 2004, p.151.
17860
Nos anos 40, a Rádio Nacional possuía uma variedade de programas e
musicais de várias procedências executadas por orquestras. 179
“Através dessa emissora, o regime buscava monopolizar a audiência popular
contratando uma equipe exclusiva da rádio onde figuravam nomes como os de
Lamartine Babo, Almirante, Ary Barroso, Emilinha Borba, Sílvio Caldas, Vicente
Celestino. Para dar maior atrativo aos programas, o governo instituiu concursos
musicais, através dos quais a opinião pública elegia os compositores favoritos”.
180
O povo participava ativamente dos programas transmitidos ao vivo da
Praça Mauá. Em qualquer parte do Brasil, a Rádio Nacional expandia as suas
transmissões e tentava agradar todos os brasileiros, assegurando a homogeneidade
cultural. O governo transmitia pelo rádio os comícios de 1o de maio, as
comemorações de 7 de setembro, as paradas do Dia da Raça. Fazia parte de um
trabalho de propaganda com o objetivo de construir uma identidade nacional.
Todos os brasileiros estavam reunidos simbolicamente. Parecia existir, de fato,
uma só comunidade.
O Estado Novo precisava se mostrar mais democrático. No lugar de
Fontes, foi escolhido outro integrante do governo para propagandista do governo:
o Ministro do Trabalho, Alexandre Marcondes Filho. Marcondes foi encarregado
de exortar os trabalhadores aos infindáveis “esforços de guerra”, passando a
desempenhar um papel fundamental no rádio. 181 De janeiro de 1942 a julho de
1945, Marcondes Filho fez palestras semanais na “Hora do Brasil”, a fim de
esclarecer os trabalhadores sobre as questões trabalhistas. Muitas vezes, fugia
dessa temática e falava sobre a entrada do Brasil na guerra e a recepção do
programa no exterior, por exemplo.
179
Havia três orquestras completas e vários conjuntos regionais na Rádio Nacional.
Mônica Pimenta Velloso, in Jorge Ferreira e Lucilia Delgado (organização), op. cit., p.159.
181
Sonia de Castro Lopes, Lourival Fontes. As duas faces do poder. Rio de Janeiro: Litteris
Editora, 1999,
pp. 95 -100.
18061
Foram ao ar mais de 200 palestras, com duração aproximada de dez minutos,
todas as quintas-feiras. No dia seguinte, as palestras eram publicadas pelo jornal
porta-voz do regime, A Manhã. [Talvez por isso] o programa “Hora do Brasil”
ficou conhecido popularmente como “o fala sozinho”. Para desfazer essa
imagem, o governo, através do jornal A Manhã, realizava enquetes de opinião nas
ruas da cidade, cujos resultados procuravam reforçar a impressão favorável do
público. 182
Em fevereiro de 1943, o presidente Getúlio Vargas escreveu a
apresentação do livro Trabalhadores do Brasil!, reunião de parte das falas
radiofônicas do ministro. Para Getúlio, as palestras “(...) constituem, pela clareza
e acerto dos conceitos, uma verdadeira interpretação das nossas leis trabalhistas”.
O poder do rádio era realidade, a “Hora do Brasil”, referência nacional e as
palestras de Marcondes Filho, a marca registrada dos anos 40.
“Tenho esperança de que em todas as cidades, em todos os distritos, nos rincões
mais longínquos, onde quer que exista um sindicato de empregados ou de
empregadores, porque a todos considero operários de um Brasil mais próspero e
mais forte, a minha palavra seja entendida como a palavra de um amigo, de um
sincero e dedicado servidor que não medirá sacrifícios para honrar o mandato que
lhe foi confiado pelo eminente senhor Getúlio Vargas.” 183
O fim da era da repressão, no entanto, estava longe. O DIP continuaria se
intrometendo em todas as questões mesmo depois do afastamento de Fontes. Fazia
parte da estratégia do Estado Novo fazer com que seus homens de confiança
pedissem demissão antes que o presidente o fizesse. Depois de algum tempo, os
fiéis escudeiros seriam recompensados de alguma maneira. 184
Houve até mesmo a intensificação do controle à imprensa e ao rádio depois da
saída de Fontes, como em tudo mais que implicasse em informação coletiva ou
influísse de algum modo na opinião pública. A desculpa para o rigor do controle
era a de que as medidas eram imprescindíveis à segurança nacional, dada à
situação provocada pelo desenrolar do conflito mundial. 185
A rádio alemã chegou a comentar a demissão dos nomes que tinham “mais
afinidade” 186 com o regime. Em seu diário do dia 26 de março de 1942, o chefe
da propaganda nazista, Joseph Goebbels, escreveu que havia uma divisão no
182
http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AE ... s1/anos37-
45/EducacaoCulturaPropaganda/HoraDoBrasil
183
Marcondes Filho In http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/trabalhadores.html
184
Sonia de Castro Lopes, Ibid., p. 101. Lourival Fontes foi trabalhar no Conselho
Administrativo do Bureau Internacional do Trabalho, até 1944, depois foi nomeado embaixador no
México.
185
Orlando de Barros, op.cit., p. 234.
186
Sonia de Castro Lopes, ibid., p. 96.62
governo brasileiro. As palavras revelaram a proximidade com que mantinha com
seus informantes e simpatizantes.
O presidente Vargas, que está muito ao nosso lado, e o chanceler Aranha,
evidentemente comprado por Roosevelt, [e que] parece estar fazendo tudo (...)
para provocar um conflito com o Reich e os países do Eixo. (...) Temos em nossas
mãos uns 600 brasileiros, enquanto que, no Brasil, existem 150.000 alemães. 187
A opinião pública acompanhava as notícias pela BBC que não censurava
as notícias como as rádios brasileiras. No dia 15 de agosto, os brasileiros
souberam que o Baependi foi afundado e logo depois mais seis navios seriam
torpedeados provocando a morte de 600 pessoas. Três dias depois, a União
Nacional dos Estudantes liderou uma passeata de milhares de pessoas no Rio para
apoiar os Aliados e rejeitar os países do Eixo. “Guerra!”, era o título em seis
colunas do jornal O Globo no dia 22 de agosto. “O governo do Brasil reconhece o
estado de beligerância com a Alemanha e a Itália”. 188
a entrada do Brasil na guerra, no segundo semestre de 1942, 189 foi, realmente, a
consolidação dessa mudança: o Estado Novo começou a deteriorar-se
rapidamente. No decorrer dessa evolução, a imprensa teve condições para
desafogar progressivamente as suas manifestações. A maioria dos jornais tomou o
partido dos países que combatiam o nazi-fascismo: a propósito do que ocorria no
exterior, as críticas visavam [ao] que acontecia no próprio Brasil. 190
A guerra trouxe muitos racionamentos não só para os trabalhadores, mas
para a população em geral. A exorbitante alta de preços, aliada à escassez de
gêneros alimentícios, gasolina e vários produtos importados, foi um dos
problemas constantes sofridos por todos. “Faltavam a carne, o leite, os ovos,
manteiga, as frutas, os gêneros de primeira necessidade. O câmbio negro grassava
e ninguém explicava porque tudo subia de preço”. 191 Os ricos, no entanto, tinham
outros prazeres. Apesar de deixarem seus carros na garagem, eles continuavam se
divertindo no Cassino da Urca, Atlântico, Icaraí e Copacabana Palace.
187
192
Idem.
Aluizio Maranhão, op.cit., p. 51.
189
No dia 31 de agosto.
190
Nelson Werneck Sodré, op. cit., p.383.
191
Orlando de Barros, op.cit., p.267.
192
Luiz Noronha, Carlos Machado: O teatro da madrugada. Rio de Janeiro: Relume Dumará:
Prefeitura, 1998, p.52. “Calcula-se que o Rio chegou a ter algo próximo de mil e duzentos
estabelecimentos de jogo, entre os grandes cassinos e as arapucas. O Copacabana Palace era o
mais exclusivo”.
18863
Forradas as janelas com black-out 193 , os endinheirados brasileiros e
estrangeiros apostavam suas fichas no jogo. Entre uma roleta e outra, os jogadores
assistiam a shows ao vivo com artistas oriundos do rádio. Os que não podiam
pagar pelo luxo, acompanhavam algumas transmissões radiofônicas diretamente
do cassino. No programa “Ritmos da Panair”, Murilo Néri apresentava o que
acontecia na boate Meia-Noite do Copacabana Palace, ao vivo, para todo o Brasil,
pela Rádio Nacional. 194
Como parte das comemorações do aniversário de Getúlio Vargas, em
1942, uma grande festa foi organizada no Cassino da Urca pelo embaixador
americano, Jefferson Caffery. O apresentador do espetáculo “Sinfonia do Brasil”
foi o diretor americano Orson Welles 195 . O diretor estava no Brasil, contratado
pela RKO, para filmar “É tudo verdade”. Tornou-se, da noite para o dia,
embaixador do pan-americanismo. 196
Chamando Getúlio de “bom amigo”, o
diretor disse ao microfone: “Este programa está sendo transmitido pela maioria
das estações de rádio do Brasil e por mais de cem emissoras norte-americanas”. 197
Para o show, foram convidados vários cantores e músicos que faziam
sucesso na Rádio Nacional, e todos foram ouvidos por brasileiros e americanos
“pelas ondas curtas da Blue Network”. 198 Entre os destaques, Welles apresentou
ao vivo a marcha “Sabemos lutar”, música ufanista de Antônio Nássara e E.
Frazão, (...) que preparava o cenário da guerra. A canção foi “devidamente
explicada aos ouvintes dos Estados Unidos por Orson Welles, trocando gracinhas
com Linda Batista, que era seu caso amoroso, em pleno palco”. 199
193
O pano preto impedia que submarinos inimigos tivessem um alvo fácil em terra.
<http://www.revistamusicabrasileira.com.br/homenagens/carmelia-alves-permanece-
majestade>.
195
Famoso por dirigir o programa radiofônico “A guerra dos mundos”, citado no capítulo um, e o
filme “Cidadão Kane”.
196
O filme ficou inacabado por falta de verba da produtora RKO. Nelson Rockefeller, dono do
estúdio, se recusou a continuar patrocinando o trabalho que mudou de rumo no Brasil, tornando-se
mais crítico.
197
Antonio Pedro Tota, op.cit., p.121.
198
Ibid., p.120.
199
João Perdigão & Euler Corradi, O Rei da Roleta. A incrível vida de Joaquim Rolla. Rio de
Janeiro: Casa da Palavra, 2012, p.275.
19464
Na guerra
Se eu tiver que combater
Minha terra, juro que hei de defender
Com amor, com ardor, com vigor
De um peito brasileiro
Hei de defender o céu azul
Que cobre as esperanças da América do Sul
Nós somos ordeiros, gostamos da paz
Amamos a beleza da nossa natureza
Mas se alguém vier nos desrespeitar
Nós mostraremos que sabemos lutar
E lutaremos por esse céu azul
Que cobre as esperanças da América do Sul
O programa apresentado por Welles fazia uma síntese das atrações que
faziam sucesso nos cassinos. Era um exemplo da alegria brasileira em um tempo
sombrio na Europa e no Pacífico, depois do ataque às bases americanas em Pearl
Harbour. Ao microfone, o americano elogiou a alegria brasileira. “A Urca é um
dos últimos lugares autenticamente felizes do mundo” 200 , disse o diretor.
Compositores brasileiros começaram a escrever músicas para falar sobre o
conflito, entre eles, Custódio Mesquita. “Mesmo dizendo-se apolítico, (...) ainda
assim identificou-se com o tempo de Getúlio, em que a passividade política
constituía-se essencial ao regime autoritário”. 201 A marcha “Espera, Maria”, de
1942, de Mesquita e René Bittencourt, preparava o clima em que iriam viver
vários casais separados pela guerra.
Se eu for para a guerra, Maria,
Amor, não fique triste, não
Eu volto, Maria, eu volto
Eu volto pra pedir a sua mão,
200
Idem.
Orlando de Barros, Custódio Mesquita. Um compositor romântico no tempo de Vargas (1930-
1945). Rio de Janeiro: Funarte, EdUERJ, 2001, p. 373.
20165
Maria, deixa a porta aberta
Espera que a vitória é certa.
Mais tarde vai ser prá nós dois
Virão garotinhos depois
Se um dia, Maria,
A pátria precisar
Nós temos soldados para dar. 202
As músicas ufanistas, ou sambas-exaltação, nascidas para incensar a figura
do presidente, entraram na moda nos anos 40, mas não resistiram ao tempo. A
qualidade dessa safra não se comparava aos sambas de Noel Rosa, nos anos 30,
por exemplo. O Ciclo Vargas, como ficou sendo conhecido o período, reuniu 42
canções.
“Além dos sambas grandiloquentes, ainda apareceram na era do DIP diversas
composições de endeusamento e bajulação à figura do chefe do governo, como a
marcha ‘Quem é o tal’ (Ubirajara Nesdan e Afonso Teixeira), de 1942, e os
sambas ‘O sorriso do presidente’(Alcir Pires Vermelho e Alberto Ribeiro), do
mesmo ano, e ‘Salve 19 de abril’ (Benedito Lacerda e Darci de Oliveira), de
1943, que se referia à data do aniversário de Getúlio Vargas”. 203
Em fevereiro de 1943, devido ao clima da guerra, não houve carnaval no
Rio de Janeiro. A política brasileira mudava, mas nem tanto. Jornalistas, escritores
e estudantes continuaram a reclamar da falta de liberdade. O Jornal do Brasil, o
primeiro periódico a abrir suas páginas para o carnaval no Brasil, reconheceu que
não havia clima festivo na cidade. Mas as escolas de samba decidiram ajudar a
União Nacional dos Estudantes e da Liga de Defesa Nacional. 204 A Portela cantou, sem
desfilar, o samba “Democracia” 205 :
Palavra que nos traz felicidade
Pois lutaremos
Para honrar a nossa liberdade
Brasil, Oh! meu Brasil!
Unidas nações aliadas
202
Ibid., p. 413.
Jairo Severiano, op.cit., p.269.
204
Sérgio Cabral, As escolas de samba do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Almir Chediak
Produções Ltda, 1996, p.137.
205
Sérgio Cabral, A MPB na era do rádio. 2a edição. São Paulo: Editora Moderna, 1996. (Coleção
Polêmica), p. 88.
20366
Para o front eu vou de coração
Abaixo o Eixo
Eles amolecem o queixo
A vitória está em nossa mão.
O Estado Novo também vinha interferindo nos temas carnavalescos. Os
que eram considerados internacionalistas eram proibidos; os patrióticos,
estimulados. Eram comuns os programas de rádio divulgarem as músicas de
carnaval com muita antecedência, fazendo com que os cariocas se familiarizassem
com as canções antes do início da festa. Mesmo sem carnaval, em 1943, os
compositores João de Barro, o Braguinha, e Alberto Ribeiro lançaram o samba “Adolfito
Mata-mouros” 206 , para ironizar a figura de Hitler.
A los toros,
A los toros,
A los toros, Adolfito mata-mouros
Adolfito bigodinho era um toureiro
Que dizia que vencia o mundo inteiro
E num touro que morava em certa ilha
Quis espetar sua bandarilha.
Mas o touro não gostou da patuscada
Pregou-lhe uma chifrada.
Tadinho do rapaz!
E agora o Adolfito, caracoles,
Soprado pelos foles,
Perdeu o seu cartaz
Os vários horários de novelas garantiam grande sucesso da Rádio
Nacional. Mas nem todos os brasileiros podiam ouvir os capítulos, apesar do
esforço da emissora para melhorar constantemente sua aparelhagem de
206
Sérgio Cabral, A MPB na era do rádio, op.cit., p. 89.67
transmissão. As “[...] agências de publicidade produziam as novelas no Rio de
Janeiro ou em São Paulo, gravavam e distribuíam cópias para serem irradiadas
pelas emissoras do restante do país”. 207
Um novo gênero de programa radiofônico surgiu nessa época: as séries de
aventura para falar sobre a guerra ao público juvenil. Estavam nessa lista: “As
aventuras de Fred Perkins” 208 , “O Homem pássaro” e “Barão Eixo”. Escrita e
interpretada por Francis Hallawell, em Londres, a série “As aventuras de Fred
Perkins” tinha episódios de 28 minutos e era enviada em ondas curtas para a
Rádio Nacional.
209
Mas os discos de acetato também vinham para o Brasil para
serem irradiados, um tempo depois, em diferentes estações de rádio e serviços de
alto-falantes.
Não há scripts disponíveis desses programas na BBC nem a data precisa
de sua criação. É muito provável que os programas tenham sido gravados nos
estúdios em Londres em 1943, antes de Hallawell se tornar Chico da BBC,
correspondente na Itália, ao lado dos pracinhas brasileiros. No primeiro episódio,
o personagem Fred sai em “busca da verdade”. Tentando achar uma coerência no
meio de tantas versões jornalísticas desencontradas divulgadas durante a guerra, o
repórter da ficção tinha o mesmo sentimento dos correspondentes de carne e osso.
Como dizia o jornalista Rubem Braga 210 , a verdade era algo que não existia
durante a guerra.
Na história, Fred montou um miniaparelho de rádio e transmitia ao vivo
suas aventuras para o público. Tratava-se de algo inimaginável nos anos 40, antes
dos satélites, transistores e chips. O personagem embarcou em um avião
construído por um amigo e foi até a Alemanha, onde um aparelho inimigo
derrubou seu teco-teco. Fred caiu em solo alemão, foi ameaçado de morte, mas
acabou ouvindo as reações de Hitler em uma antessala. No programa, o Führer foi
207
Lia Calabre, A Era do Rádio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2a edição, 2002, pp.36-37. “A
técnica de gravação disponível na época utilizava discos que tinham sua base de alumínio
recoberta de uma camada de acetato. Durante a Segunda Grande Guerra, com a utilização do
alumínio para fins bélicos, as fábricas passaram a produzir discos de vidro.”
208
A gravação da Collector’s tem como título: “Com a FEB na Itália”, volume 5.
209
Gravação feita antes de o correspondente ir para a Itália trabalhar com os pracinhas da FEB,
que chegaram à Itália, a partir de 30 de junho de 1944.
210
Correspondente de guerra, colega de Chico da BBC,no front italiano. O tema será abordado no
terceiro capítulo.68
ironizado por seus acessos de cólera e ataques de choro. Na prisão, foi salvo por
uma bomba inglesa atirada de um avião da RAF. Assim ele conseguiu fugir.
“O personagem principal, Fred Perkins, assemelha-se a um herói das histórias em
quadrinhos, pelo arrojo, ironia e humor na interpretação. Os líderes nazistas são
ridicularizados como se fossem meros fantoches de Hitler. Fred Perkins oferece
um relato que visa muito mais a distrair o ouvinte do que a apoiar o esforço de
guerra.” 211
Depois da vinheta característica do programa, animada com o tique-taque
de ponteiros de um relógio, sons de xilofone e bumbo, o correspondente de
guerra apresentava e atuava no programa infanto-juvenil “As aventuras de Fred
Perkins”: 212
Transcrição:
Hallawell – Fred Perkins, correspondente de guerra. Fala Fred Perkins da
Inglaterra. O aparelho transmissor do qual estou falando é meu. Confesso que
esse momento é sen-sa-ci-o-nal porque, para falar a verdade, sabem de uma
coisa? O aparelho foi todo construído por mim. Sempre gostei muito de rádio.
Vocês compreendem, não é? É uma mania antiga, podem julgar por si. Mas, aqui
entre nós, acho que meu aparelhozinho não está nada mal... (ruídos de
interferência).
Hallawell – Ai, ai, ai, desculpem. Vou contar como foi eu tive a ideia. Dia
desses, estava pensando em um meio de receber notícias. Estou enjoado desse
negócio de “fontes autorizadas informam de Berlim”, “contam fontes oficiais”,
“um porta-voz militar”, depois vem outro que diz que foram 150 mil prisioneiros
aqui, acolá. Daqui a pouco, não foi nada disso, ninguém fez 150 mil prisioneiros,
foi outra pessoa que foi presa em um lugar muito diferente. Vocês sabem como é,
não sabem? Estava eu nisso quando disse a minha mulher: e se tivéssemos um
meio de saber a verdade? E ela me disse: “Pois é, Fred, e se fizessémos isso?”
Hallawell – E, de repente, deu um estalo, feito (incompreensível) e por que não,
Mabel? Afinal de contas, quem nos impede de ver? Saberíamos por nós mesmos
a verdade se fossemos nós mesmos ver a verdade. E foi assim que começou a
história toda. (Continuação Anexo 1)
211
João Baptista de Abreu Junior, “Rádio e formação de mentalidades. Testemunha ocular da
Guerra Fria na América Latina”. Tese de doutorado na Escola de Comunicação da UFRJ, Rio de
Janeiro, 2004, p.214.
212
Transcrição do seriado, Collector’s, op.cit. Depois, o programa passou a se chamar “As novas
aventuras de Fred Perkins”.69
De 1944 até 1946, outro seriado juvenil foi ao ar: “O homem pássaro”, na
Rádio Nacional. Diariamente (com exceção dos fins de semana), às 17h30, a
ficção era transmitida, com duração de 15 minutos. Também falava de guerra e de
nazismo. No único disco de acetato que ficou na Rádio Nacional, o episódio “A
vingança do Cérebro” não tem registro de data.
213
Nas coleções de scripts
encadernados, foram preservados os seguintes títulos: “Um tesouro no deserto”,
“Contra os monstros da ilha”, “As flores da morte”, “O segredo da múmia”, “Na
ilha fantasma”, “No reino das amazonas”, “A aranha negra”, “Os demônios do
gelo”.
No fim do capítulo gravado e narrado por César de Alencar, ainda
disponível, foram sorteados 20 fãs, que ganharam prêmios não especificados. O
“super-herói arrojado e audacioso” chama-se Dick (Antonio Laio), é “americano,
corajoso”. Segundo a historiadora Lia Calabre 214 , ele é “defensor da justiça, da
ordem, da paz mundial”, o maior representante da democracia. Dois autores do
seriado - Ruy Amaral e Álvaro Augusto – foram entrevistados para a revista
comemorativa dos 20 anos da Rádio Nacional.
Assim como a série “As aventuras de Fred Perkins”, a trilha de abertura de
“O homem pássaro” era vibrante e envolvente. No episódio “A vingança do
Cérebro”, Dick está procurando “o negro Joe” na aldeia do Touro Bravo.
Passando por um perigoso despenhadeiro, ouvem-se os efeitos sonoros de cavalos
trotando, cavalos reagindo a uma pedra que despenca da montanha e muitos tiros.
Suspense e tensão. Muitos tiros depois, homens se batem com socos. Até que
Dick agarra um bandido, vai tirar-lhe a máscara, e quem surge? O velho inimigo
Muller (Cahuê Filho), um nazista que persegue o mocinho. No segundo capítulo,
Dick confirma para a namorada Mary (sem identificação) que irá ao Polo Norte.
“O homem pássaro”: “A vingança do Cérebro” 215
213
Pude escutar o material no Departamento de Pesquisa da emissora.
Lia Calabre, dissertação de mestrado “O Homem Pássaro, produção ficcional radiofônica. Na
sintonia do tempo: uma leitura do cotidiano através da produção ficcional radiofônica (1940-
1946)”, UFF, 1996.
215
Transcrito do original, consulta feita no Departamento de Pesquisa da Rádio Nacional.
21470
Dick (sem gentio) – Sim, Mary. Fomos escolhidos para acampar com o almirante
Kirk no Polo Norte. O inspetor e Harris vieram me participar. Eu não sabia se
devia aceitar ou não, mas você compreende.
Mary (furiosa) – Compreendo. Compreendo, sim. Compreendo que você não quer
se casar. É isto que eu compreendo.
Brady – Aquele de sobretudo preto... seria capaz de jurar que aquele homem é o
Oto Kruger.
Dick – Oto Kruger? O espião nazista?
Inspetor – Sim... é ele mesmo. Há pouco ele saiu da prisão. Quase não
conseguiram provas contra ele. Que diabo estava fazendo esse sujeito aqui?
Brady (apreensivo) – Dick, ele deve ter ouvido nossa conversa sobre a expedição
ao Polo Norte. Homem Pássaro, você acha que os nazistas teem (sic) algum
interesse na expedição do almirante Kirk?
Dick – Depende do que vai fazer a expedição ao Polo Norte, Brady.
No capítulo 5:
Dick – Sim, vamos ver isso. Vou tirar a máscara dele (pausa). Oh...veja se lembra
deste rosto.
Guarda (pequena pausa) – Não me é extranho (sic)... (lembrando) – Sim, aquele
espião nazista que pegou tempo de cadeia porque não puderam provar nada
contra ele.
Dick – Isso mesmo. Oto Kruger.
Guarda – É, Oto Kruger (pausa). – Chi... o homem morreu.
Homem Pássaro – Um nazista de menos.
Sem script ou qualquer outro registro, o “Barão Eixo” permanece um
mistério. No jornal Diário Carioca do dia 2 de julho de 1943, 216 havia um anúncio
do programa radiofônico juvenil. O seriado ia ao ar aos domingos, às 20h45, na
Rádio Nacional. Para ilustrar o personagem, o anúncio mostrava o rosto de um
homem forte e carrancudo, em frente a um microfone e a uma suástica: “Conheça
Barão Eixo – o maior mentiroso da História!”
2.3.
O cotidiano dos profissionais do rádio na guerra
Na BBC, os jornalistas brasileiros e latino americanos se uniram e
tentavam acompanhar o estilo de vida inglês. Era preciso enfrentar o frio, a neve,
os racionamentos, as bombas e o medo com altivez. No Serviço Brasileiro da
BBC, em Londres, havia grande expectativa quanto à entrada do Brasil na guerra.
Mas o clima entre os latinos era de alegria e descontração, apesar de tudo. O
216
Consulta feita na Biblioteca Nacional, na seção de microfilmes.71
sociólogo Laurindo Leal Filho viu um lado positivo nessa possível alienação dos
“lunáticos”, como alguns ingleses chamavam os brasileiros. “Parece que os
lunáticos trouxeram para a BBC a possibilidade de conviver com
a guerra de
maneira menos tensa e mais criativa. Um sentimento que tomou conta também do
serviço latino-americano”. 217
Os correspondentes festejaram a decisão do governo de se posicionar ao
lado dos aliados. Muitos profissionais já sabiam como era viver em um país em
conflito, uma vez que a grande maioria dos jornalistas brasileiros chegou à
Inglaterra em 1941. Lya Cavalcanti, casada com Geraldo Cavalcanti, o Bento
Fabião, foi uma delas. Ela comemorou a decisão do Brasil com uma crônica na
BBC.
“O Jornal do Commercio de 28 de agosto de 1942 deu uma nota com o título
“Rádio” em que se lia: Ao celebrar seu primeiro aniversário, o “Rádio-
Magazine”, de Bento Fabião, nos deu um número comovedor. Foi o de Lya
Cavalcanti, que, numa rápida crônica, narrou a emoção experimentada por ela em
Londres ao saber da declaração de guerra do Brasil à Alemanha e à Itália.
Pequena página de ternura patriótica, digna de especial registro”. 218
No programa “A Voz de Londres”, Antonio Callado também fez seus
comentários: “Londres e a notícia da entrada do Brasil na guerra”.
“Porque se a simples proximidade, criando uma espécie de comunhão com os
acontecimentos, dá a estes uma repercussão mais geral, é certo que a voz dos
locutores e o papel dos telegramas nos dão a segurança de que, em toda parte do
mundo, nosso brado de guerra ecoou bem alto e que nossos irmãos levantam nas
mãos a bandeira de guerra, desta guerra contra os que pretendiam arrastar a
humanidade para alguns séculos atrás”. 219
O noticiário de guerra “Reportagens da Itália”, transmitido pela BBC para
o Brasil, durava apenas 15 minutos na programação de quatro horas diárias. “O
espaço relativamente pequeno dedicado à guerra fazia parte de uma política mais
geral da BBC – a de tornar seus programas atraentes, conquistando o público com
o talento de seus produtores, apresentadores e artistas” 220 .
217
Laurindo Leal Filho, op. cit., 2008, p. 36.
Elvia Bezerra, Meu diário de Lya. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 2002, p.64. A autora
informou que, de toda a produção de Lya Cavalcanti, apenas três crônicas restaram no Sound
Archives da BBC. A citada no texto não é uma delas.
219
Ibid., p.64
220
Lya Cavalcanti Apud Laurindo Leal Filho, 2008, op. cit., p. 35.
21872
Os radialistas Antonio Callado, Lya Cavalcanti e William Tate contaram,
nas entrevistas em comemoração ao cinquentenário da BBC, em 1988, como era a
vida nos anos 40, em Londres. Havia semelhanças nos relatos: todos buscavam a
normalidade, apesar de tudo.
“Viver em Londres debaixo dos bombardeios era uma coisa de uma intensidade
fantástica. Primeiro, que a vida não se alterava. O bonito na Inglaterra era fazer
de conta que não havia bombardeio. Quem estava tomando um drinque
continuava tomando um drinque, estava comendo... Não pestanejava, era muito
elegante. Então a gente tentava acompanhar os ingleses. Às vezes, ficávamos
realmente imbuídos daquele espírito inglês e não nos preocupávamos com o
bombardeio. Era algo tão constante, tão comum. Agora, em cidades como
Liverpool e outras que foram totalmente destruídas era diferente. Porque aí você
tinha gente esmagada, gente soterrada. Nós nunca tivemos uma bomba assim
perto. Não tivemos notícia de bombas que nos afetassem diretamente”. 221
Lya detestava os black-outs e ter que esbarrar nas pessoas nas ruas
iluminadas apenas pelas torches, “as luzinhas fugazes (...), que indicavam que
havia pessoas em movimento”. 222 Corajosa, procurava ver de perto os
bombardeios, mesmo que isso significasse risco de vida. “Nos ônibus, ao lado dos
ingleses, impassíveis sob o barulho das sirenes, compartilhava a mesma coragem.
Descobria afinidades”. 223 Churchill tinha esse mesmo tipo de comportamento.
Saía dos abrigos subterrâneos do governo para, sozinho, ver de perto as bombas
no terraço do prédio onde ele estava.
Antonio Callado mostrava calma nesses tempos. Gostava do efeito da neve
nas ruas que conheceu em 1941 e 1942. O jornalista apreciava a separação que a
neve fazia entre a rua e a parede dos prédios, onde a neve formava montinhos.
“Eu morava em Londres, ali perto de Baker Street, frequentava muito o Regent’s
Park, onde está o Jardim Zoológico. Você aluga(va) umas cadeiras por ali e (se)
senta(va) à beira do lago. Eu levava livros. Fiz a minha cultura literária sólida
nesse tempo. Lia muito, pensava muito. De maneira que o que eu mais fiz em
Londres foi isso. E aguentava as bombas naturalmente quando elas caíam,
paciência”. 224
A belga Julienne Maria Catharine Cardinaels, que trabalhou em diferentes
setores da BBC, sentia mais medo da guerra do que Lya e Callado. Ela tinha
fugido dos alemães andando a pé pelos campos e conseguiu entrar em um trem em
221
Ibid., p. 112.
Elvia Bezerra, op.cit., p.65.
223
Ibid., p. 67.
224
Laurindo Leal Filho, 2008, op. cit., p. 113.
22273
plena guerra, até chegar a Callais, na França, e, depois, em Dover, na Inglaterra.
Na emissora inglesa, juntou-se ao grupo de brasileiros e, ao conhecer Francis
Hallawell, apaixonou-se “à primeira vista”. Outros casais também se uniram na
BBC: Antonio Callado e Jean Watson, William Tate e Nora. Já Lya e Geraldo
Cavalcanti se casaram no Brasil, antes de irem para Londres.
Como precisava aprender português para trabalhar no mesmo setor de
Francis, Julienne começou a ter aulas particulares com o secretário da embaixada
brasileira, Pachoal Carlos Magno 225 . Só que o secretário decidiu fazer uma
brincadeira com a moça tímida e lhe ensinou uma série de palavrões. Certo dia,
Magno decidiu acabar com a farsa. Ao lado do embaixador Muniz de Aragão , pediu
que Julienne repetisse as palavras que tinha acabado de aprender. Entre risos e
zombarias, só naquele momento a jovem belga descobriu até onde ia o senso de
humor brasileiro.
- Eu era muito recatada, frequentei o colégio interno, minha família era muito
severa. Dar um beijo no Hallawell durante o namoro? Nem pensar. Eu podia
gostar dele, me encontrar, mas nada de intimidades. A gente trabalhava 12 horas
e dependia da caridade para receber roupa de doação. Se queria um suéter novo,
tinha que comprar lã e fazer o suéter eu mesma. 226
Os latinos eram muito ruidosos, na opinião dos ingleses. “Não havia
distinção entre argentinos, paraguaios, bolivianos, ou mesmo brasileiros. Da linha
do Equador para baixo, eram todos gente que habla”. 227 Antes de darem início ao
turno de trabalho, os brasileiros costumavam se reunir em dois pubs, no Battle
Axes, perto da casa de Lya e Geraldo, e no Waggon and Horses, perto da
Aldenham House. 228 A comida era simples, a cerveja morna, típica do país, mas o
que contava era o encontro amigo.
No dia do aniversário de Lya, em 1943, o primeiro que passava em
Londres, ela ganhou presentes de seus colegas, apesar dos rigores da guerra.
225
Fundador, em 1938, da Casa do Estudante do Brasil, no Rio de Janeiro. Costumava recepcionar
os jornalistas que chegavam a Londres para trabalhar na BBC. Este foi o caso de Antonio Callado,
em 1941.
226
Julienne Hallawell, entrevistas realizadas nos dias 8/10/2011 e 7/1/2012.
227
Elvia Bezerra, op.cit., p.65.
228
Francis Hallawell e Julienne não trabalharam nesse endereço, ao contrário de Callado.74
“Estava na BBC, trabalhando na noite de 22 para 23, quando Simone Ruffier, ao
seu lado, chamou-a para ir à sala em frente, onde Geraldo, William Tate e o
anglo-brasileiro, nascido em Porto Alegre, Francis Hallawell, que era chamado de
Chico da BBC, a abraçaram, dando beijos e presentes, entre os quais ruge e meias
de náilon, duas raridades naqueles tempos”. 229
Uma missão com jornalistas brasileiros, 230 organizada pelo Conselho
Britânico, chegou a Londres e foi recebida pelo embaixador Muniz de Aragão e
por Antonio Callado. Em sua crônica radiofônica, Bento Fabião criou certo
mistério ao descrever um homem muito alto que estava na estação naquele dia. 231
“O cabo do microfone foi serpenteando pelos pés da gente, em busca de uma
posição mais favorável. O embaixador do Brasil e o conselheiro da Embaixada
foram os primeiros a abraçar os jornalistas que estavam chegando do Brasil. Os
abraços efusivos à moda brasileira intrigavam o homem de fraque e cartola de
seda, e esse mesmo símbolo de solenidade temerosa intrigava todo o mundo. (...)
Descobri que o grande homem era simplesmente Sua Excelência, o chefe da
estação. Sempre que há viajantes ilustres, ele se veste de solenidade e vem dar as
boas-vindas pela ação de sua presença silenciosa”.
Na BBC, William Tate tornou-se uma referência porque foi escolhido para
o cargo de chefe do Serviço Brasileiro. Nascido em Santos, filho de uma família
inglesa, teve uma história aventuresca. Tate saiu de Salvador, onde estava
morando na época, para trabalhar em Londres, em 1940. Mas foram tantos
problemas que ele teve que enfrentar que só chegou ao seu destino no ano
seguinte. Em seu relato
232
, ele conta que no navio havia vários voluntários que
estavam se alistando nas Forças Armadas Britânicas, inclusive seu irmão,
Roberto. O navio parou em Serra Leoa, na África, para reparos, e depois, sem a
ajuda do comboio que o protegia, foi na direção oeste para se desviar dos
submarinos alemães, acabando na Nova Escócia, no Canadá. Dias depois, o grupo
tentou ir para a Inglaterra, mas, no caminho, o navio foi torpedeado e afundou.
Resgatados depois de 24 horas em alto-mar, voltaram para o Canadá. Só na
terceira tentativa o grupo conseguiu chegar a Liverpool, em junho de 1941.
“Seguimos de trem para Londres. Na Victoria Station estava nos esperando
229
Elvia Bezerra, op.cit., p.70.
Ibid, p. 67. Eram os seguintes profissionais: Alfredo Pessoa, Mário Martins, Danton Jobim,
Joaquim Meneses e Joaquim Ferreira.
231
Bento Fabião (Geraldo Cavalcanti), Londres 1941-1945. Rio de Janeiro: José Olympio Editora,
1946, pp.57-58. O autor não especificou a data.
232
Laurindo Leal Filho, 2008, op.cit., p. 107.
23075
Manuel Antonio Braune, o Aymberê da BBC. E, em Bush House (sede da
emissora), cinco meses de salários acumulados.” 233
William Tate também conheceu a futura mulher Nora na BBC. Ela se
tornou a responsável pelas gravações dos programas.
“Um disco de 78 rotações só dura quatro minutos por lado. Uma sinfonia ocupava
vários discos que precisavam ser mudados de lado a cada quatro minutos. O fim
do primeiro era o começo do segundo e, para mudar de um lado para o outro, era
exigida certa perícia. E ela fazia isso. Depois veio trabalhar no Serviço Latino-
Americano”. 234
A primeira voz feminina do Serviço Brasileiro foi a de Rachel Braune, que
tinha o pseudônimo de Dulce Jacy. Ela era casada com Manuel Braune, o
Aymberê da BBC. Dulce costumava dizer a uma amiga que adorava a guerra
“porque aproveitava as constantes viagens do marido para dançar nos concorridos
bailes do Hotel Savoy, na capital inglesa”. 235 Em 1963, no depoimento em
comemoração aos 25 anos do Serviço da BBC, Rachel contou como tinha sido o
coquetel na Embaixada brasileira em Londres no dia 7 de setembro de 1941. 236
“O embaixador Muniz de Aragão havia sido transferido para Londres depois de
ter servido em Berlim, onde conhecera Hitler, Goering e Göebbels. Como era
obrigatório naquela época, fizeram instalar um abrigo antiaéreo no porão da
embaixada. Ali, no meio de camas de campanha e capacetes de aço, o champagne
continuou a sua função benéfica, e o assunto só podia ser um: o que se estaria
passando lá fora.
Alguns foram ver e eu fui atrás, até o terraço da embaixada. Era uma tarde linda,
e no céu alto os bombardeiros alemães lançavam-se contra Londres – em
formação perfeita – cortando o ar com um ruído que não tardou a nos levar de
volta ao abrigo por prudência. Sem suspeitar, estávamos assistindo [ao] começo
da blitz. (...) Quando saímos, já havia escurecido. Aymberê e eu aproveitamos o
carro de uma colega do consulado para ir ver o estrago. Mas não conseguimos
chegar nem perto. (...)
A noite terminou no teatro da BBC, que, pela ausência de janelas, me dava a
sensação de segurança. Centenas de pessoas dormiram ali sentadas, encostadas
nas paredes ou deitadas no chão. Parece incrível, mas foi possível dormir.
Também foi possível, na manhã seguinte, encontrar o carro e voltar à casa para
tomar banho e esquecer por alguns minutos o pesadelo da noite anterior. Quem
diria que a blitz havia começado.”
233
Ibid., p. 108.
Idem.
235
Ibid., p.116.
236
Idem.
23476
Nessa data, a BBC organizou um programa especial para 66 emissoras
latino americanas. Tentou reconstruir “o momento dramático da guerra, entre 15
de agosto e 15 de setembro de 1940, quando os alemães bombardearam portos,
cidades, aeroporto e fábricas inglesas como forma de preparar a invasão da ilha”.
237
O governo brasileiro tentou organizar uma grande exposição em Londres
para comemorar o primeiro ano da entrada do Brasil na guerra. Mas a Embaixada
em Londres explicou que era impossível a realização do evento. No dia 2 de
março de 1943, essa foi a resposta do embaixador Muniz de Aragão: “Exposição
impraticável porque objetos de arte do século XVI e XVII estão guardados fora de
Londres, em subterrâneos”.
238
Na mesma época, foi aprovada a fundação da
Anglo-Brazilian Society, que já tinha uma representação no Brasil. Uma série de
atividades foi organizada em Londres. A Sociedade, em questão, tinha como
objetivo:
“divulgar, na Inglaterra, a cultura e as ideias brasileiras. Para isso fora eleito um
conselho dirigente composto de sete ingleses e igual número de brasileiros, entre
os quais membros do Parlamento Britânico, como Thomas Cook e Arthur Evans.
Da parte do Brasil, o grupo era formado por Antonio Callado, Paschoal Carlos
Magno, Geraldo Cavalcanti, Simone Ruffier, entre outros”. 239
No Brasil, Silvia Cardim Garcia Braga 240 - hoje, aos 84 anos – tinha como
costume ouvir a BBC durante a guerra, junto com sua família.
- Eu era filha de Francisco, ministro do Tribunal Superior do Trabalho, e sobrinha
de Elmano Cardim, dono do Jornal do Commercio. Durante a guerra, ouvíamos
muito o rádio. Eu morava na Urca, e na minha casa tínhamos mais de um rádio. A
gente gostava de ouvir rádios estrangeiras. O jornal no rádio todo mundo ouvia
junto. Para pegar as rádios estrangeiras no rádio, a gente tinha que botar na
frequência de ondas curtas para ouvir as notícias de guerra. O rádio apitava. Era
só mexer no dial pra lá e pra cá para achar a frequência. Tinha certa estática, mas
pegava bem porque tínhamos rádios possantes e muito bons. Um radinho
qualquer não pegava.
Uma vez aconteceu uma coisa muito engraçada. O meu tio Elmano estava
almoçando lá em casa. O meu irmão tinha uma estação clandestina de rádio na
garagem, e, junto com os amigos, brincava de interferir nos programas. Eles
chamavam um amigo inglês do meu pai, o John King, que estava lá em casa
237
Laurindo Leal Filho, op.cit., 1998, p. 34.
Arquivo Histórico do Itamaraty, documentos da Embaixada brasileira de 1942.
239
Elvia Bezerra, op.cit., p. 73.
240
Entrevista feita por mim, por telefone, em 27/12/2011.
23877
também, e fizeram com que ele imitasse o locutor da BBC. Ele anunciou que o
Hitler tinha acabado de morrer. O meu tio deu um ataque achando um absurdo ele
não saber desta notícia antes de todo mundo e já estava ligando para o jornal para
dar uma bronca quando percebeu que era uma brincadeira. No (falso) rádio, o
locutor dizia que Hitler morreu de uma indigestão de chucrute. Foi muito
engraçado.
Minha família não gostava de Getúlio e até limpava a boca quando falava no
nome dele. Sempre fomos contra a ditadura e sabíamos que ele era germanófilo,
ficava em cima do muro e fazia barbaridades. Quando os submarinos alemães
começaram a afundar os navios brasileiros, Getúlio teve que agir, foi empurrado.
Aí ele teve que mudar. Gostávamos de ouvir o noticiário da BBC, que era sério.
Tinha a hora certa dos noticiários.
O jornalista e escritor Alberto Dines, 80 anos, adolescente durante a
guerra, também se lembra de ouvir a BBC. No bairro de Vila Isabel, seu pai,
Israel Dines, acompanhava as notícias com apreensão. Todos os parentes haviam
ficado em Rovno, na Ucrânia, e não conseguiam mandar notícias para o Brasil. 241
Meu pai estava angustiado. No início, tínhamos um rádio Philips, modelo
capelinha,
com muita estática, que não pegava ondas curtas. O segundo rádio
era melhor, podíamos sintonizar as ondas curtas e longas. O olho mágico ajudava
na sintonização. 242 Eu me lembro de um programa de radioteatro que falava da
guerra, com barulho de avião, ordens e tudo. Eu escutava o locutor Aymberê da
BBC 243 . Ouvíamos também o “Repórter Esso”, o despertador do Brasil. Havia
várias edições cinco minutos antes das horas cheias, além das edições especiais.
- No desembarque das tropas aliadas, em 6 de junho de 1944, nós acordamos de
madrugada, e todos começaram a se comunicar por telefone, avisando para
ouvirmos o rádio. Era o começo do fim do nazismo. Foi inesquecível.
Em 1940, o famoso escritor Thomas Mann 244 recebeu um convite da BBC
para “escrever breves falas, comentar os acontecimentos da guerra e buscar
influenciar alemães. Mann não desperdiçou a oportunidade”. 245 Ele havia perdido
a cidadania alemã e conseguiu asilo nos EUA, em 1938. Primeiramente, mandava
os textos por telégrafo, e um funcionário da BBC deveria ler o material ao
241
De toda a extensa família, só sobreviveu um parente de Dines. Rovno foi invadida pelos russos
e depois pelos alemães.
242
A luz verde tinha dois pontos que precisavam se encontrar para a perfeita sintonia.
243
O rádio no Brasil. BBC Serviço brasileiro. Londres: BBC World Service Publicity Design,
1989. Manuel A. Braune, a primeira voz do Serviço Brasileiro da BBC, na primeira notícia, em
1938, descreveu o desfile do Führer: "O senhor Hitler entrou hoje à noite em Viena no meio de
um entusiasmo formidável. De pé, no seu carro aberto, respondeu repetidamente com a saudação
nazi às aclamações da multidão. O seu automóvel era precedido por onze carros blindados cheios
de soldados alemães".
244
Autor de Os Buddenbrooks (1901), Morte em Veneza (1912) e A montanha mágica (1924), uma
das obras que mais influenciaram os homens do século 20.
245
Thomas Mann, Ouvintes alemães! Discursos contra Hitler (1940-1945). Rio de Janeiro: Zahar,
2009. Orelha do livro sem autoria.78
microfone em alemão. Depois, preferiu algo menos complicado. “Tudo que tenho
a dizer é agora gravado no Recording Department da NBC, em Los Angeles; a
gravação é enviada a Nova York por via aérea e então transferida, por telefone,
para outra gravação em Londres, onde é executada diante do microfone”. 246
Com esse método, Thomas Mann encontrou uma maneira de se
manifestar: suas opiniões radicalmente contrárias ao nazismo. “Dessa forma, não
apenas minhas palavras, mas minha própria voz (...) [é] ouvida por aqueles que se
atrevem à escuta clandestina” 247 , escreveu no primeiro prefácio do livro lançado
em fevereiro de 1942. O governo nazista proibia e castigava quem ouvisse as
transmissões da BBC na Alemanha e nos países ocupados. Por essa razão, os
interessados precisavam se esconder para fazer a escuta clandestina.
“As rádios estrangeiras não podiam ser ouvidas, e se algum alemão infringisse a
determinação, era considerado criminoso e poderia ser condenado à morte. Em
1940, um único programa de rádio era transmitido, obrigatoriamente, por todas as
emissoras da Alemanha, sob orientação expressa de Goebbels”. 248
Criticando Hitler abertamente, Thomas Mann mostrava ao povo alemão as
mentiras que estavam sendo ditas pela imprensa e pelos microfones do III Reich.
Mann levou um susto ao saber que o próprio Hitler o escutava. Ouvir a BBC na
Alemanha e nos países ocupados era motivo para prisão e punições severas. “O
Führer já expressou muitas vezes o seu desprezo pelo povo alemão, a sua
convicção sobre a covardia, submissão e estupidez dessas pessoas, sobre a sua
infinita habilidade de engolir mentiras” 249 . Convicto de suas ideias, três anos antes
de a guerra acabar, o escritor afirmou que ela poderia ter sido evitada. No futuro,
dizia Mann, as consequências (terão) “pesada carga moral” para o povo alemão.
“A prova mais cabal de que é assim – uma prova ao mesmo tempo divertida e
asquerosa – é dada pelo fato de que meu próprio Führer, em um discurso numa
cervejaria de Munique, aludiu de forma inconfundível às minhas emissões e disse
que eu era um desses que tentam incitar o povo alemão à revolução contra ele e
seu sistema”. 250
246
Ibid., p. 8.
Ibid., pp. 8-9.
248
Sandra de Deus, “Goebbels e as potencialidades do rádio na Alemanha nazista”, in Cida Golin
& João Batista de Abreu (orgs.), op.cit., p.77.
249
Thomas Mann, Ibid., p.9.
250
Thomas Mann, idem.
24779
Ao contrário da BBC que irradiava o afundamento de um navio inglês
apenas uma vez em seus noticiários para não confundir o ouvinte (poderia achar
que muitos navios teriam sofrido ataques alemães naquele mesmo dia), a Rádio
Berlim repetia incansavelmente as mensagem. No caso, a tentativa era que a
repetição tornasse a mentira verdadeira. “O Serviço Exterior nazista era
transmitido a partir de Zeesen, em 55 idiomas, para atrair os ouvintes estrangeiros
à causa nazista e usá-los como corpo intermediário para respaldar a tarefa das
embaixadas alemãs”. 251
No primeiro discurso, irradiado em outubro de 1940, Mann explicou que
era um escritor alemão perseguido e proscrito pelos governantes alemães. Desde
1942, ele já denunciava as mortes e os massacres de judeus.
“Ouvintes alemães! A notícia soa incrível, mas minha fonte é segura. Em
inúmeras famílias judias holandesas (...) reina um luto por filhos que tiveram
mortes horríveis. Quatrocentos jovens judeus holandeses foram levados para a
Alemanha para servir de objetos de pesquisa com gás venenoso. (...) Eles estão
mortos – morreram pela “nova ordem” e pela engenhosidade bélica da raça dos
senhores. Para isso, até que serviram. Eram só judeus!” 252
E sses fatos não estavam presentes nos jornais ou rádios brasileiros. O
jornalista Alberto Dines afirmou que “a máquina de propaganda dos Aliados
contra Hitler focava os aspectos bélicos. Ressaltar a violência do antissemitismo
nazista poderia até atiçar os focos de antissemitismo que existiam no mundo
livre”. 253 (...)
“Em 1942, tinha-se apenas uma pálida ideia das barbaridades cometidas pelos
nazistas. O assunto não estava embargado, simplesmente não se conhecia o que
se passava nos países ocupados. A história dos judeus portugueses em Amsterdã é
uma exceção”, explicou Dines. 254
251
Sandra de Deus, ibid, p. 77.
Thomas Mann, Ibid., p. 71.
253
Alberto Dines. Entrevista feita por e-mail no dia 22 de agosto de 2012. Dines explicou que “o
próprio Stefan Zweig, na correspondência com seu guru Romain Rolland, dizia, ainda em 1933,
que a tônica da oposição a Hitler não poderia ser baseada apenas no antissemitismo nazista. A
violência contra os judeus era uma violência contra a humanidade. Não estava errado”.
254
Idem. “Só depois do levante do gueto de Varsóvia e de sua destruição é que começaram a
chegar relatos mais impressionantes. A história mais forte foi o arrasamento da cidadezinha tcheca
Lídice, em junho de 1942. Neste episódio, Hitler fez questão de mostrar ao mundo sua capacidade
de esmagar qualquer resistência.”
25280
Reunidos em clubes em várias cidades brasileiras, os alemães
acompanhavam as Sondermeldung, dramatizações que misturavam músicas
clássicas e bélicas, silêncio dramático e muita propaganda nazista. “ Uma espécie
de edição extraordinária ou plantão de notícias com características apelativas que
normalmente distorciam os fatos.” Sandra de Deus acredita que havia cerca de
“600 mil o número de alemães no início da guerra e, na Argentina, a comunidade
alemã chegava a 150 mil”. 255
Os discursos do primeiro-ministro Churchill ficaram famosos na BBC, mesmo
com sotaque empolado. No dia 13 de maio de 1940, Churchill fez uma declaração
importante: “ Perguntam-me qual é o nosso objetivo? Posso responder com uma só
palavra: Vitória, vitória a todo custo, vitória a despeito de todo o terror, vitória por
mais longo e difícil que possa ser o caminho que a ela nos conduz, porque sem a
vitória não sobreviveremos”. 256 Positivo e firme, o primeiro-ministro não hesitou
diante das ameaças inimigas. “Jamais nos renderemos à servidão e à vergonha,
qualquer que seja o custo e a dor... A longa noite de barbárie poderá descer, a
menos que nós vençamos... nós temos que vencer... venceremos”. 257 Ao elogiar os
jovens pilotos da RAF, disse: “Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos
deveram tanto a tão poucos”.
As mudanças na BBC foram visíveis depois de uma pesquisa feita em
1940. A emissora inglesa descobriu que a população não estava satisfeita com as
transmissões. Assim, o governo entendeu que era preciso contar com o apoio da
população e que a “tia” (auntie), como era chamada, tinha que criar um vínculo
emocional com a população. “Não bastavam comunicados de guerra e apelos à
participação popular. (...) A baixa resistência civil à invasão da França pelos
nazistas foi atribuída ao papel desempenhado pelo rádio alemão sobre o povo
francês”. 258
Assim, para garantir intimidade e identificação, a emissora fazia o
noticiário de guerra, mas também irradiava programas de humor, peças de teatro,
literatura e atrações que contavam com a participação da plateia. “Nesse processo,
255
Idem.
http://educacao.uol.com.br/biografias/w ... chill.jhtm
257
Laurindo Leal Filho, op. cit., 1991, p.70.
258
Sandra de Deus, idem.
25681
muitas vezes delicado, a BBC conseguia conquistar a simpatia da população ao
tornar-se praticamente a única forma de contato direto entre os soldados na frente
de batalha e suas famílias. Ou entre as crianças evacuadas de Londres para o
exterior e os seus pais na Inglaterra ”. 259
Julienne e Francis decidiram se casar em plena guerra. Os racionamentos,
toques de recolher, cupões de racionamento, black-outs e o medo faziam parte do
cotidiano do casal. Apesar disso, eles conseguiram fazer uma cerimônia em uma
igreja, e reuniram alguns convidados, parentes e amigos que moravam em
Londres, na época. Com sorte, Julienne e Francis tiveram um mês de licença para
a lua de mel “sem vencimentos” da BBC.
- Nós nos casamos no dia 26 de junho de 1943, não me lembro em que igreja de
Cheltenham 260 . Eu estava feliz, mas chorei o tempo todo porque não tinha
ninguém da minha família na cerimônia 261 . As pessoas que vieram comigo da
Bélgica não permaneceram juntas na Inglaterra. Francis era protestante e eu
católica, mas isso nunca foi impedimento para nada. Passamos a lua de mel em
Loch Awe, na Escócia. Eu tinha algumas economias e ajudei a pagar o hotel.
Ficamos em um castelo, longe dos bombardeios em Londres. Foi uma maravilha.
262
Os parentes de Francis Hallawell, que estavam no Rio de Janeiro,
prepararam uma festa para comemorar simultaneamente o casamento do parente
que estava em Londres. Com direito a bebidas, salgados e bolo, praticamente
todos os convidados escreveram mensagens de felicitações em um livro de capa
marrom, que a viúva de Francis Hallawell guarda até hoje. Além de dedicatórias,
poesias, desenhos e pinturas, o álbum de recordações contém uma mensagem de
agradecimento do noivo, escrita mais tarde, com várias menções ao rádio. Julio
Ferrez 263 , pai do cunhado de Francis, Eduardo Ferrez, se referiu à guerra
escrevendo à moda antiga:
259
Ibid., 1998, p. 71.
St. Gregory’s Church segundo o recorte de jornal, sem nome, guardado pela sobrinha de B.A.,
Rosalind Milne. Foram ao casamento o “tio” Harry, piloto da RAF e líder do esquadrão que lutou
nas duas guerras; a irmã de Francis, Beatrix Ashlin; “tia Alice”, a feminista, irmã do pai de B.A.; a
prima de Francis, Bebita, que também era da Força Aérea inglesa e a antiga babá. Do lado da
noiva, só foram o pai adotivo de Julienne, Elsom, e seu filho, John.
261
Os parentes de Julienne, que estavam na Bélgica em guerra, só souberam da união algum tempo
depois.
262
Julienne Hallawell, entrevistas op.cit.
263
Júlio Ferrez (1881-1946).
26082
“Casamento em tempo de guerra! Talvez seja mais acertado. Já se tem prática de
bombardeio, de attaques (sic) com a louça de casa, limpeza de entulhos, receos
(sic) estratégicos, enfim toda a estratégia prática para uso diário e gerencia
doméstica. E no início de toda a barafunda, o nosso speaker da BBC descobrio
(sic) uma flor da Bélgica que lhe illuminou (sic) a estrada da Felicidade. Às
vésperas da invasão, nós que estamos tão longe, separados por mais de 3.000
milhas de mar, poderíamos offerecer (sic) umas flores, as flores da amizade ao
partir para uma viagem de núpcias.”
Julienne contou sobre as dificuldades de sobrevivência na época. Mesmo
em um país que estava lutando contra os inimigos do Eixo, ela sentiu que havia
certo preconceito entre os ingleses: eles não gostavam de alugar casas para judeus.
- Fomos morar na parte de cima de uma casa em Londres. 264 Era muito chato,
porque tínhamos que esperar a família acabar de comer e desocupar a cozinha
para comermos alguma coisa. Éramos recém-casados, queríamos ficar juntos, ter
intimidade. Vi então que havia um apartamento mais independente, em uma casa
perto. Implorei para que os donos me alugassem. Fiz uma cara muito triste. As
mulheres sabem fazer isso muito bem. Implorei para a família: “Help me”. E eles
me alugaram o apartamento que não ficava muito longe de Londres. Nós dois
ganhávamos muito pouco, mas conseguimos.
- Até hoje não sei por que os ingleses não gostavam de alugar casa para os judeus.
Francis tinha um nariz grande e parecia ser judeu. Não foi ele quem conseguiu o
apartamento, fui eu. Sei que, às vezes, ele saía e conseguia trazer alguns produtos
de uma venda. Acho que era porque ele parecia judeu.
- Na BBC, pedi para trabalhar na seção latino-americana e consegui. Ficava em
Hertfordshire. A base de Francis ficava em Londres. Eu fazia cópias das
reportagens. Aprendi muito português porque estava sempre no meio de
brasileiros.
- Os alemães tinham dirigíveis que mandavam para Londres, e a gente nunca
sabia onde iriam explodir. Era uma coisa horrível. Os dirigíveis eram sem piloto
e, de repente, o motor parava, caía e explodia tudo. Por isso, cavamos um buraco
grande no terreno da casa onde morávamos, e lá colocamos beliches.
264
Na legenda da foto do casamento, o redator do jornal se refere ao “war-time home, at 3,
Pittville-lawn, Cheltenham”.
"The whole point of diy is diy. It's not dsoiyathodtr - do some of it yourself and then have others do the rest" (paulc)
User avatar
modman
a d m i n
 
Posts: 4246
Joined: 19 Jun 2007, 17:57
Has thanked: 2886 times
Have thanks: 495 times

Postby Goop_buster » 26 Jul 2007, 22:52

Do you now about the earliest incarnation of the talk box "the bag" made by Kustom

http://filters.muziq.be/model/kustom/thebag

At the end of this (showing gear) clip Jeff Beck talks a bit about it
http://www.youtube.com/watch?v=-p05vOgGNSo

and here it is used a bit:

http://www.youtube.com/watch?v=ufiz4J1CSjE

bad quality sound and picture though
User avatar
Goop_buster
Solder Soldier
 
Posts: 248
Joined: 22 Jul 2007, 23:31
Has thanked: 0 time
Have thanks: 5 times


Return to Freestomp Café!

Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 6 guests

cron